Biografia

Seymour Papert

         Dr. Seymour Papert é matemático e é considerado um dos pais do campo da Inteligência Artificial. Além disso, ele é internacionalmente reconhecido como um dos principais pensadores sobre as formas pelas quais a tecnologia pode modificar a aprendizagem.
          Nascido e educado na África do Sul, onde participou ativamente do movimento antiapartheid, o Dr. Papert engajou-se em pesquisas na área de matemática na Cambridge University no período de 1954-1958. Então trabalhou com Jean Piaget na University of Geneva de 1958 a 1963. Sua colaboração principal era considerar o uso da matemática no serviço para entender como as crianças podem aprender e pensar.
          No início dos anos 60, Papert afiliou-se ao MIT onde, em conjunto com Marvin Minsky, fundou o Laboratório de Inteligência Artificial e co-autorou seu trabalho fundamental "Perceptrons" (1970) .
          Ele é autor de Mindstorms:Children Computers and Powerful Ideas" (1980) e "The Children's Machine: Rethinking School in the Age of the Computer" (1992). Ele também tem publicado inúmeros artigos sobre matemática, Inteligência Artificial, educação, aprendizagem e raciocínio.
Mais informações sobre Papert podem ser obtidas no Media Lab, do MIT, do qual é um dos fundadores e principais membros.

 


Jean Piaget

        Biólogo, nascido em Newchatel – Suíça (09/08/1896 - 16/09/1980). Pesquisador e estudioso intelectual. Através do método clínico, Piaget nos trouxe a gênese das estruturas lógicas do pensamento da criança.           Suas pesquisas o levaram da biologia à filosofia e psicologia, aproximando progressivamente a biologia a cibernética, a psicologia e a matemática para explicar o desenvolvimento da inteligência.
          Apesar de naturalista, começou explorar outros campos, principalmente a sistemática dos processos mentais, entrando em contato com grandes mestres da psiquiatria e psicanálise na Alemanha e França.
          Em Paris, estagiou no Instituto Binet, onde ficou encarregado pela padronização francesa de alguns testes ingleses.Podem-se estabelecer algumas etapas da produção teórica de Piaget e da sua caminhada para constituir a Epistemologia Genética.

 


Daniel Goleman

          Psicólogo, Ph.D. em Harvard e jornalista da área de ciência e comportamento do New York Times, Daniel Goleman é o presidente da empresa de consultoria "Emotional Intelligence Services", em Sudbury, Massachusetts e autor do polêmico e revolucionário livro Inteligência Emocional.
         A obra de Goleman é fruto de dez anos de pesquisas nas áreas neurológicas e comportamentais. Seu livro apresenta inúmeras pesquisas científicas e as novas descobertas sobre a arquitetura emocional do cérebro. Desta forma, o psicólogo lança um novo conceito sobre inteligência, o QE - quociente emocional.
         Ao longo de 12 anos, escreveu sobre psicologia e ciências do cérebro para The New York Times. Editor da revista Psychology Today por nove anos.   Além de Inteligência Emocional, publicado pelo Brasil pela Editora Objetiva, entre seus livros anteriores estão Vital Lies (Mentiras Vitais), Simple Truths (Verdades Simples), The Meditative Mind (A Mente Meditativa) e, como co-autor, The Creative Spirit (O Espírito Criativo).





S. Freud

          Freud, Sigmund (1856-1939). Psiquiatra de origem austríaca.Nasceu em 6 de março de 1856, na cidade rural de Freiberg. De família humilde, desde cedo acostumou-se a ler e estudar muito. Formou-se em medicina na Universidade de Viena, onde aprendeu com os melhores cientistas da época.
          Freud é o fundador da psicanálise, que é um método de investigação psicológica usado no tratamento das neuroses através da procura das tendências ou influências reprimidas no inconsciente do indivíduo e do seu retorno ao consciente pelo processo de análise. Seu livro A interpretação dos sonhos (1901) influenciou bastante os surrealistas.
          Veio a falecer em 23 de setembro de 1939 em Londres, já consagrado como o pai da psicanálise. Freud, inicialmente, especializou-se em neuropatologia mas foi no estudo da mente que se destacou, e não no estudo do cérebro simplesmente.

 


A. R. Luria

          Alexander Romanovich Luria nasceu em 1902, em Kazan. Filho de pais socialistas, Luria defrontou-se, aos 15 anso, ainda no curso secundário, com a revolução soviética. Nesse momento, foram abertas as portas da universidade para quem quaisesse cursá-la, e Luria matriculou-se no Departamento de Ciências Sociais. Seu interesse, no entanto, voltava-se para a psicologia.
         
         
Dado seu trabalho de alto nível e erudição em psicologia e pedagogia, Luria foi convidado, em 1924, a se juntar ao copode de jovens cientisas do recém-criado Instituto de Psicologia de Moscou. Lá, associou-se a Alexei Leontiev com o objetivo de estudar as bases materiais do fenômeno psicológico humano, usando basicamente as concepções pavlovianas.
          Esse método, no entanto, mostrava-se insatisfatório para abordar justamente aqueles aspectos psicológicos caracteristicamente humanos. Uma perspectiva de solução para esse conflito abriu-se, num dia de 1924, quando no I Encontro Soviético de Psiconeurologia um um jovem vindo de Gomel colocava-se como desafio à elaboração ddas bases teóricas de uma psicologia marxista.                   Tratava-se de Vigotskii, que, diferentemente dos outros, propunha não ser papel dos psicólogos formular coletâneas de citações de Marx e Engels sobre diversos aspectos da psicologia humana, mas sim introduzrir na ciência psicologica o método marxista. Desde aquele momento, Vigotskii passou a ser o líder intelectual daquele jovem grupo e, em particular, de Luria, que, modesta e expressamente, diz, em vários de seus artigos, que nada mais fez na vida que seguir as grandes linhas e hipóteses formuladas por Vigotskii.
         
          O fundamento básico dessas hipóteses levantadas é que os processos psicológicos superiores humanos são mediados pela linguagem (semanticos) e estruturados não em localizações anatômicas fixas no cérebro, mas em sistemas funcionais, dinâmicos e historicamente mutáveis. Em função dessas concepções, por volta de 1930, Vigotskii e Luria passaram a se interessar pelo fenômeno da instalação, perda e recuperação de funções ao nível do sistema nervoso central, havendo ambos, também, entrado para a escola de medicina.
          Com a morte de Vigotskii, em 1934, Luria continuou por esse caminho, tendo-se tornado um dos mais renomados neuropsicólogos mundiais,construindo uma monumental obra científica esparsa nos seus mais de 30 livros publicados. Luria morreu em Moscou, em 1977, aos 75 anos.


L. S. Vigostkii
          Lev Semenovich Vigotskii nasceu em 1896 em Orsha, Bielorússia, e faleceu prematuramente, aos 38 anos, em 1934, vítima de tuberculose. Concluiu seus estudos em Direito e Filosofia na Universidade de Moscou, em 1917.                               Posteriormente estudou Medicina. Lecionou literatura e psicologia em Gomel, de 1917 a 1924, quando se mudou novamente para Moscou, trabalhando, de início, no Instituto de Psicologia e, mais tarde, no Instituto de Defectologia, pôr ele fundado. Dirigiu ainda um Departamento de Educação para deficientes físicos e retardados mentais. De 1925 a 1934, Vigostkii lecionou psicologia e pedagogia em Moscou e Leningrado. Nessa ocasião, iniciou estudo sobre a crise da psicologia buscando uma alternativa dentro do materialismo dialético para o conflito entre as concepções idealistas e mecanicista.
          Tal estudo levou Vigotskii a seu grupo - entre eles A. R. Lúria e A. N. Leontiev - a propostas teóricas inovadoras sobre temas como: relação pensamento e linguagem, natureza do processo de desenvolvimento da criança e o papel da instrução no desenvolvimento. Vigostskii foi ignorado no Ocidente e teve a publicação de suas obras suspensa na União Soviética de 1936 a 1956.
          Hoje, no entanto, a partir de divulgação feita, seu trabalho vem sendo profundamente estudado e valorizado. A morte prematura de Vigostkii interrompeu uma carreira brilhante, da qual se pode resgatar hoje importantes contribuições. A atualidade dos temas tratados é o sinal mais evidente de que estamos diante de uma obra da maior significação.


A. N. Leontiev

          Alexei N. Leontiev, nascido em 1903, foi um dos importantes psicóogos soviéticos a trabalhar com Vigostkii d Luria. Membro da Academia Soviética de Ciências Pedagógicas, recebeu em 1968 o o título de doutor honoris causa pela Universidade de Paris.
          Uma das principais preocupações de Leontiev foi com a pesquisa das relações entre o desenvolvimento do psiquismo humano e a cultura, ou seja, entre a evolução das funções psíquicas e a assimilação individual da experiência histórica.
          Assim como Vigotskii, Leontiev critica as concepções mecanicistas do comportamento humano, buscando a construção de um referencial marerialista histórico e dialético para a psicologia. Leontiev defende a natureza sócio-histórica do psiquismo humano e, a partir daí, a teoria marxista do desenvolvimento social torna-se indispensável. Teórico e experimentador, Alexei Leontiev não limita seu horizonte ao laboratóri. Preocupa-se com os problemas da vida humana em que o psiquismo intervém. Seu campo de estudos compreendeu a pedagogia, a cultura no seu conjunto, ao problema da personalidade. Criou a Faculdade de Psicologia da Universidade de Moscou da qual se tornou o decano. Leontiev morreu de 1979.